Universo Inflacionário: uma Teoria, uma Forte Possibilidade!

Universo plano e inteligente por algum motivo…

Universo Inflacionário ou Inflação Cósmica é uma teoria que revela que no momento do Big Bang, o Universo passou por um crescimento exponencial dado por uma energia vácuo negativa ou, por outras palavras, uma pressão negativa. A causa deste acontecimento foi dada pela libertação de energia de calor latente, energia de vácuo, que fez expandir o universo exponencialmente.

Acompanhado desta teoria vieram três problemas fundamentais denominados por problema do horizonte, problema da planaridade e problema da abundância dos monopólos magnéticos.

Para melhor entendimento do problema do horizonte imagine-se fazendo uma observação da radiação cósmica de fundo vinda de duas regiões opostas do Universo atual. Estas regiões que você está observando estão distantes uma da outra, mas mesmo assim a radiação é exatamente a mesma nos dois pontos. Isto leva-nos a pensar como se estes pontos nunca estivessem estado em contacto, se parecem exactamente iguais e se a informação não tem tempo nem velocidade suficiente para percorrer de um ponto a outro. Esse é o chamado problema do horizonte.

O problema da planaridade explica a geometria do Universo, plano. O valor actual do parâmetro de densidade é muito próximo da unidade que instantes antes da inflação, seu valor deveria ser absurdamente próximo da unidade, caso contrário seu valor actual seria muito diferente de um e o universo seria muito distinto do modelo plano. Logo, a época da inflação “esticou” o Universo tanto que este é na verdade plano. Qualquer curvatura que o Universo possa ter tido antes da inflação foi completamente destruída pela enorme expansão, fazendo com que o Universo ficasse perfeitamente plano.

Visto que no momento anterior ao Big Bang todas as partículas e todos os corpos estavam juntos mas ao mesmo tempo separados uns dos outros, se previu a existência de um magneto com uma só carga, como se na divisão de um íman não se criasse outro mas sim ficasse com a mesma carga(só positiva ou só negativa), ai se descobriu o monopolo magnético. No problema do monopolo, se estas partículas existiram no estágio primitivo do universo, as densidades de energia delas decaem como um componente de matéria. Já que a densidade de radiação decai como na era de radiação dominante, essas relíquias massivas deveriam ser o material dominante no Universo, o que contradiz as observações, visto que nunca se observou tal partícula.

Os modelos inflacionários têm como objectivo resolver os problemas apresentados acima, admitindo que nos instantes iniciais de sua evolução, o universo sofreu uma curta fase de inflação, um processo de super esfriamento que elevou exponencialmente a dimensão do horizonte causal e permitiu a aniquilação dos monopolos magnéticos.

Esta entrada foi publicada em A Origem do Universo, Conhecimento Científico, Inflação Cosmológica, Modelo Padrão, Teoria, Teoria do Big Bang com as etiquetas , , , , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s